Anel de Ferrara™

Desde 1996 aprimorando os resultados no tratamento do ceratocone.

conheça
ATENDIMENTO

Segunda a Sexta, de 8:00 às 17:00 horas

+55 31 3223 3108

contato@ferrararing.com.br

Rua Maranhão, 1642 – 1º andar – Funcionários. BH. MG. Brasil

ANEL DE FERRARA™

Criado em 1987 pelo Dr. Paulo Ferrara para correção de altas miopias.

Em 1996, com o advento do Excimer Laser, o Anel de Ferrara™ passou a ser utilizado para o tratamento do paciente portador de ceratocone.

Em 1998 o Dr. Paulo Ferrara ministrou o primeiro Curso de Implantes de Segmentos de Anéis Intracorneanos (ICRS) para a correção de ceratocone.

Hoje, esta tecnologia está presente em 60 países com mais de 800.000 olhos implantados.

CARACTERÍSTICAS

Produzido em PMMA, sendo totalmente tolerado pela córnea.

Disponível em duas versões o Anel de Ferrara™ Premium é produzido em PMMA (polimetilmetacrilato – o mesmo material das lentes intraoculares) Amarelo, o que cria um filtro complementar à luz azul, predominantemente noturna, que pode causar halos e glare. Ao longo dos mais de 30 anos de existência, os conhecimentos sobre o mecanismo de ação dos anéis aliado às novas técnicas semiológicas e a utilização do laser de Femtosegundo para a sua implantação, fizeram com que a técnica se tornasse mais segura e previsível.

0
PAÍSES
0+
IMPLANTES
0
DESDE

HISTÓRIA ANEL DE FERRARA™

INDICAÇÕES DE USO

Pacientes com ceratocone que apresentam evidente evolução do cone são os melhores candidatos para implante dos segmentos de Anel de Ferrara™.
Em 85% dos casos o implante de Anel de Ferrara™ estabiliza a evolução do ceratocone e permite a correção adequada da visão com o uso de lentes de contato ou óculos. Qualidade de vida, é o relato da maioria dos pacientes que se submeteram ao Implante de Anel de Ferrara™.
A intolerância às lentes de contato é uma é uma indicação formal para o implante dos anéis, porquanto os pacientes não conseguem boa acuidade visual com os óculos e ficam assim impossibilitados de realizar suas atividades habituais.
O Implante de Anel de Ferrara™ pode ser associado à adaptação de lentes de contato rígidas, gelatinosas ou esclerais, à correção de astigmatismo pós transplante de córnea e ao Crosslinking.

SAIBA MAIS

ASTIGMATISMO PÓS TRANSPLANTE DE CÓRNEA

O Transplante de Córnea é a última opção para o tratamento do paciente portador de ceratocone mas não resolve os problemas do paciente. Além do trauma causado pela cirurgia, astigmatismos irregulares indesejáveis são comuns. O Implante de Anel de Ferrara™ para correção destes astigmatismos é a opção mais indicada para a melhora da qualidade de vida do paciente.

ECTASIA PÓS LASIK

Utilizado normalmente como técnica associada no tratametno refrativo, o LASIK pode fragilizar a estrutura corneana e favorecer o surgimento de deformidades que podem ser regularizadas com o Implane de Anel de Ferrara™.

DMP – DEGENERAÇÃO MARGINAL PELÚCIDA

Caracterizada pelo afinamento periférico progressivo da parte inferior da córnea, a DMP causa altos astigmatismos irregulares, o que dificulta a correção da visão com lentes de contato ou óculos.

Mais comum em jovens e adultos entre 20 e 50 anos não existem tratamentos preventivos para a DMP, a progressão é lenta e contínua. O hábito de coçar os olhos pode agravar a doença e deve ser evitado.

O Implante de Anel de Ferrara™ reduz o astigmatismo irregular e facilita a reabilitação visual com a auxílio de lentes corretivas.

VANTAGENS

NOMOGRAMA

Dada a individualidade de cada caso de ceratocone, o nomograma, ou forma de uso do Anel de Ferrara™, é uma sugestão para a escolha dos segmentos e planos cirúrgicos, produzido a partir das estatísticas de resultados de implantes realizados nos últimos 20 anos.

Pelos resultados observados utilizamos hoje a Asfericidade como parâmetro principal para a indicação de posição, tamanho de arco e espessura dos segmentos de Anel de Ferrara™.

MECANISMOS DE AÇÃO

O Anel de Ferrara obedece aos postulados de Barraquer e Blavatskaya. De acordo com os referidos postulados, a adição de tecido à periferia da córnea resulta em aplanamento e o diâmetro do Anel determinaria em quanto a córnea aplana. Portanto, quanto mais tecido adicionado (espessura do anel) e menor o diâmetro, maior é a correção obtida sobre a miopia. Os estudos resultaram nas seguintes observações adicionais:
  • Interrupção ou retardamento da evolução do Ceratocone – Diminuição dos sintomas relacionados como coceira, fotofobia e dor e/ou desconforto ocular;
  • Diminuição da profundidade da cãmara anterior como observado por biomicroscopia ultrasônica;
  • Aplanamento central e periférico com preservação da asfericidade;
  • Regularização da superfície corneana através do efeito ¨couppling¨causados pela forma dos segmentos;
  • UCVA – não correspondência entre UCVA após a cirurgia e ametropia residual. Por vezes se observa melhoria da qualidade visual coexistindo com erros refrativos residuais;
  • Efeito Prismático – o efeito prismático gerado pelas secção triangular elimina os halos e o ofuscamento que pode ser causado pelo baixo diâmetro das órteses;
  • Filtro Amarelo – o filtro amarelo impede a entrada da luz azul nos olhos diminuindo, portanto, a sensação de halos e reflexos noturnos.

ISO 9001, ISO 135485 e CE mark.

Criado e Desenvolvido exclusivamente para implantes do Anel de Ferrara.

CONTATOS

  • +55 31 3223 3108
  • contato@ferrararing.com.br
  • R. Maranhão, 1642 – 1º andar – Funcionários, Belo Horizonte – MG, 30150-338
  • VEJA O MAPA

PACIENTES

  • Indicamos o Médico Oftalmologista mais próximo de você
  • O Anel de Ferrara deve ser indicado pelo seu Oftalmologista
  • Atendimento diretamente com nossos consultores

MÉDICOS

ENVIE MENSAGEM

Perguntas Frequentes

95% dos pacientes que se submetem ao Implante de Anel de Ferrara não necessitam fazer o transplante de córnea.

Em alguns casos faz-se necessária a adaptação de lentes esclerais. Na maioria dos casos os óculos ou lentes gelatinosas são suficientes.

Não. A técnica cirúrgica, quando aplicada corretamente é sempre benéfica para a córnea.
Complicações relacionadas a técnica cirúrgica como superficialidade do implante podem resultar em extrusão espontânea do Anel. O mal posicionamento dos segmentos pode gerar astigmatismo mas é raramente observado. Complicações relacionadas aos cuidados no pós operatório podem ocorrer quando o paciente coça os olhos podendo haver movimentação do segmento, extrusão espontânea ou infecção.
Em geral, todas as complicações são reversíveis com a retirada ou reposicionamento dos segmentos de Anel de Ferrara.
Raramente acontecem complicações na cirurgia. O índice de remoção de segmentos é menor que 4% após o procedimento. Infecções apresentam complicações mais sérias e podem resultar na necessidade do transplante de córnea. Felizmente infecções foram observadas em menos de 0,08% dos casos.
O transplante de córnea requer um grande período de recuperação, próximo a 12 meses. Este transplante também corre risco de rejeição e não impede que o ceratocone volte a aparecer. Na maioria das vezes o uso de óculos ou lentes de contato se faz necessário e o paciente ainda pode estar sujeito ao Implante de Anel de Ferrara para a correção de alto grau de astigmatismo irregular que pode surgir por uma má recuperação do transplante.
• Rápida recuperação do paciente;
• Compatibilidade do material do Anel e o tecido da córnea ;
• Se houver necessidade de lentes de contato a adaptação é fácil;
• Reversibilidade;
• O Implante de Anel de Ferrara retarda ou cessa a evolução da doença por um período de tempo indeterminado
O taxa de sucesso depende do quão severo é o grau de ceratocone. Quanto antes a cirurgia é realizada maiores as chances de sucesso. Em casos iniciais a taxa de sucesso é superior a 95% dos casos.

O Implante de Anel de Ferrara aplana e regulariza a superfície da córnea portanto corrige deformidades como miopia e astigmatismo. O Anel de Ferrara também pode ser usado como técnica complementar ao laser ou lentes fácicas para a correção de altas miopias.

A recuperação da visão é rápida. No dia seguinte a cirurgia a visão já apresenta melhora e se estabiliza após três meses. Neste Período flutuações na qualidade da visão podem acontecer. Pela manhã a visão pode estar boa mas no decorrer do dia pode apresentar maior desfoque. A prescrição de óculos ou lente de contato pode ser necessária para se completar a correção. Enquanto isso, a visão pode ficar boa ou levemente desfocada.
Quase não há riscos na cirurgia de Implante de Anel de Ferrara. Como em qualquer cirurgia infecções podem acontecer. Nestes casos o segmento de Anel de Ferrara deve ser removido. As complicações são mínimas e, o mais importante, reversíveis. Isto significa que o segmento pode ser removido e a córnea recupera sua forma original. Não há risco de rejeição da órtese.
O procedimento cirúrgico e realizado sob cuidado ambulatorial e de assepsia completo. A anestesia é local feita com aplicação de colírios. A assepsia inclui a região dos olhos nariz e pálpebra. Após a cirurgia utiliza-se uma lente curativa ou gaze que previne o contato com agentes infecciosos. O procedimento é totalmente indolor e realizado em aproximadamente 10 minutos. O uso de colírios antibióticos e anti inflamatórios permite um período pós operatório mais seguro e confortável. No dia seguinte o paciente pode retomar suas atividades intelectuais.
Não. O objetivo principal da cirurgia de implante de Anel de Ferrara é a reabilitação visual. O Implante de Anel de Ferrara pode retardar a evolução da doença evitando a necessidade de transplante de córnea por tempo indeterminado.
A maioria de paciente não tem reclamações quanto a visão noturna. Lentes corretivas podem ser necessárias após o implante de Anel de Ferrara para correção de ametropias residuais.